A vencer desde 1893

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Triste dia de aniversário


Em dia do seu 118º aniversário,o FCPorto sofreu a sua primeira derrota da época, na sua deslocação à Russia, no segundo jogo da Liga dos Campeões, frente ao Zenit por 3-1.

Na antevisão que fizemos antes do jogo, tinhamos alertado para vários aspectos, e todos eles estiveram em evidência no jogo de hoje, a saber:
- As dificuldades fisícas evidênciadas por Moutinho que nos levou a dizer que Defour seria o seu substituto natural no jogo de hoje.
- A falta de uma alternativa de banco, aos defesas laterais, nomeadamente Sapunaru, a quem se desconhece qualquer impedimento físico. Tinhamos estranhado a sua ausência na convocatória.
- E o problema de sempre, ou seja, a alternativa a Kléber. Se mesmo no banco Walter parece não ser alternativa , na Champions, apenas o jovem brasileiro de 21 anos está inscrito. E Hulk não é ponta de lança. E isto ainda parece custar a entender... Quanto ao jogo em si:

O Porto entrou bem no jogo, e conseguiu colocar-se em vantagem aos 10 minutos, numa boa jogada colectiva, com James a finalizar depois de uma boa assistência de Hulk. Quando parecia que o Porto podia alcançar um bom resultado na Russia, eis que surge a primeira contrariedade: o golo do Zenit, num lance em que Helton tem uma saída precipitada da baliza e, ao defender a bola para a frente, permite ao Zenit empatar o encontro. E logo a seguir nova contrariedade: a lesão de Kléber. O avançado caí mal, lesiona-se e à falta de uma alternativa no banco, entra Varela, passando Hulk a actuar na posição 9 do ataque. Ora logo aqui perde-se um desiquilibrador nos flancos, e não se ganha nada no meio, porque Hulk não é ponta de lança. A partir daqui tive logo o persentimento que não vinha aí coisa boa.


Minuto 45. O lance capital do jogo. Fucile, com tempo para fazer uma boa recepção de bola, deixou a bola bater 3 vezes no chão e perante a pressão do adversário, resolve jogar a bola infantilmente com a mão, já tendo visto um amarelo. Resultado: Expulsão á beira do intervalo e situação muito complicada para o segundo tempo.

Com a defesa descompensada, a ideia do nosso treinador ao intervalo, foi substituir James por Souza e passar Fernando para defesa direito. Pra quem não viu o jogo, Fernando foi o ponto de equilíbrio da equipa durante a primeira parte. Era através dele que passavam todas as transições defesa-ataque.Assim, perdeu-se o único jogador com capacidade de recuperação de bola no meio-campo. Agora mais que discutir a substituição em si, é de lamentar a falta de visão de jogo do nosso treinador. O mais natural seria a entrada de Maicon e Otamendi passava a lateral direito ( posição que faz na selecção argentina). E mais. Varela, apesar de ter entrado a meio da primeira parte, deveria ter sido o sacrificado, porque não acrescenta nada ao jogo, ao contrário de James, que poderia desiquilibrar no ataque com Hulk. Mais uma vez, não se percebe o que passa na cabeça de Vitor Pereira.

Com o início da 2ª parte, percebeu-se logo que era uma questão de tempo até o Zenit fazer o 2º golo. Até o fez antes, num golo mal invalidado. Depois do 2º golo, e com total apatia de Vitor Pereira, via-se que a equipa não estava bem, Moutinho muito em baixo de forma, e foi preciso esperar pelo 3º golo, já aos 72 minutos para Vitor Pereira mexer e pôr Defour em jogo. Saiu Moutinho, certo? Não! Surpreendentemente saí Belluschi que até era a alma do meio campo e Moutinho teve de se arrastar mais 20 minutos até ao fim do jogo. Mas por esta altura, já nem fazia diferença, o jogo estava entregue.

Assim não vamos lá. Hoje podiamos ter sido humilhados. Foram 3, podiam ter sido 5 ou 6.

Temos agora de ganhar os próximos dois jogos com os cipriotas do Apoel. São erros a mais de Vitor Pereira, a juntar a um Porto que parece sem vontade e com alguns elementos em deficit fisico. Mais: o Porto é uma equipa triste em campo, sem ideias e como se não bastasse, inda temos de levar com uma expulsão infantil. É preciso fazer soar o sinal de alarme no Dragão.

2 comentários:

  1. Boas,

    o que dizer sobre este jogo !!!

    primeiro temos jogadores em sub-rendimento, depois um jogador xom a experiência de Fucile não pode ter uma atitude infantil como a que teve, depois não podemos ter só um ponta de lança disponível para a champions, a seguir o nosso treinador tem que pensar mais um bocado antes de tomar decisões, a saida do James em detrimento do Varela parece-me errada, o Fernando a trinco estava á altura mas a lateral direito tirando a altura que jogou no Estrela da Amadora não é opção ...
    Mais ainda o Danny que na selecção é um jogador vulgaríssimo, no Zenit é uma mais valia.

    Resumindo e concluindo ... venha o proximo jogo.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Boa noite,

    Até entramos fortes no jogo, dominadores, e foi com naturalidade que chegamos à vantagem por intermédio de James, após boa jogada de Hulk.

    Após o golo e um bom inicio de partida, inexplicavelmente perdemos o controlo do jogo, o controlo emocional, e alguns dos nossos jogadores começaram a fazer asneiras atrás de asneiras.

    Sofremos o golo do empate num erro defensivo que não pode acontecer a este nível competitivo. Reagimos e Alvaro quase marcou num excelente remate ao qual se opôs o guardião russo com uma grande defesa. Este remate foi o canto do cisne no que toca a oportunidades de golo por nossa parte.

    Com a lesão de Kléber o FC Porto viu-se sem soluções de banco para o centro do ataque, questão que tem sido alvo de discussão entre os portistas.
    Não bastava a lesão de Kléber, e eis que surge uma das tristes figuras da partida: Jorge Fucile que esta noite foi rei e senhor no que toca a azelhice.
    Depois do primeiro amarelo, adivinhava-se a expulsão do uruguaio … só Vítor Pereira é que parecia estar a dormir ao não dar uma reprimenda ao atleta aquando da primeira admoestação, e logo de seguida ao não o retirar do campo quando já tinha experimentado meter a bola à mão.

    O Zenit fez o trabalho de casa e explorou o nosso ponto fraco que tem sido precisamente o lado defensivo à guarda de Fucile.
    Hulk desde que foi fazer o jogo pela selecção brasileira, para no dia seguinte já estar a jogar, tem tido problemas físicos, e os russos trataram de marcar bem o brasileiro, que está sem poder de explosão, para fugir às marcações.

    Com a expulsão de Fucile, Vítor Pereira vê se obrigado a mexer na equipa, e fá-lo na minha modesta opinião de forma completamente desastrosa.
    Retira do miolo Fernando que a par de Otamendi eram os elementos mais lúcidos na nossa defensiva, que apagavam os fogos decorrentes quer das investidas de Danny pela esquerda, quer das investidas de Faizulin pela direita.
    Ao recuar Fernando para lateral direito, e colocar Souza no seu lugar perdemos os equilíbrios defensivos, e ao retirar James, perdemos o jogador que podia desequilibrar na frente.
    Foi com naturalidade que os russos partiram para cima de nós na segunda parte, colocando a nossa defesa às aranhas.
    Perdemos por 3-1, e corremos o risco de ser goleados. O Zenit foi um justo vencedor.

    Nós fomos uma equipa amorfa, sem chama, que depois de uma excelente entrada na partida e de ter marcado primeiro, perdemos o controlo do jogo, complicamos e fomos impotentes para dar a volta às incidências do jogo - lesão de Kléber e expulsão de Fucile.
    Mais uma vez Vítor Pereira revelou-se muito mal na leitura do jogo, efectuando substituições que descompensaram a equipa.
    Temos mais dois jogos em casa que temos obrigatoriamente de vencer, e com esta derrota estamos igualmente obrigados a vencer uma das duas partidas fora de casa.
    Penso que iremos conseguir o apuramento num grupo com duas boas equipas de leste e com um surpreendente Apoel que lidera o grupo, depois de impor um empate na ucrânia diante do Shakhtar.

    Abraço

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.com

    ResponderEliminar

Opine!